Bom Carnaval.


Não gosto de carnaval, pelo menos o que está por ai. Porque entendo que para ser genuína a alegria tem que ter intervalos, tem que ter  tempo para o sorriso e o olho no olho além dos momentos de descontração. Por isso este carnaval não é pra mim, não acredito em alegria , com compromisso com o extravasamento desmedido e sem espaço para delicadeza.
Assim escolhi o Pierrot, esta figura, apaixonada, romântica e sonhadora, para desejar a todos um bom carnaval a quem gosta e bom descanso para quem não gosta.

                

Temperatura no Vermelho



Diz a lenda que as roupas têm uma vida secreta. Que à noite se reúnem nos armários para discutir suas vidas e, principalmente, a vida de quem as veste.
Lenda à parte, eu acredito que não exista peça de roupa com mais personalidade e estimulante vida secreta do que um vestido vermelho.
Um vestido vermelho é impregnado de desejo, paixão e erotismo. O vermelho é a cor  dos extrovertidos e do primeiro plano. Marcado pelo simbolismo de duas vivências elementares, o vermelho é fogo, o vermelho é sangue.
A nossa narrativa pessoal passa inevitavelmente pela roupa que vestimos, pela maneira de ficar dentro dela, e pela forma como carregamos esta roupa.
Vestir-se com um vestido vermelho é vestir-se de poesia. Quem não se lembra do lindo vestido vermelho que Julia Roberts usou em 1990 no filme “Uma linda Mulher”? Ou ainda dos vestidos vermelho-sangue e vermelho-vinho das vampiras do filme Eclipse? Ou dos lindos e atemporais vestidos vermelhos de Valentino.
Não é nenhuma leviandade seduzir-se por um vestido vermelho, e, segundo o próprio Valentino, uma mulher de vermelho está sempre magnifica. E eu acrescento: com temperatura do corpo alta!




Este post é parte integrante do projeto “Caderno de Notas – Segunda Edição”, do qual participam as autoras Ana Claudia MarquesIngrid CaldasLuciana NepomucenoLunna GuedesMaria CininhaTatiana KielbermanThelma Ramalho e a convidada Mariana Gouveia.

Dicionário poético das Marias Parte 1

Dicionário poético das Marias

Ameaça- Palavra que tem a palavra bandido dentro dela.
Amigo- palavra que tem dentro de si um escudo, não te fere e não deixa ninguém te ferir.
Desfrute – Palavra que tem plantada dentro de si um pé de mexerica.
Maria – palavra que não perdeu a meninice.
Perdão – Palavra que quando se  junta com a palavra dor, vira a palavra imperdoável.

Sozinho – Palavra que não espera por ninguém.