Noite


Noite
A noite acende o remorso daquilo que não fizemos durante o dia.
A noite nos dá chance de exercer nossa luz própria.
A noite  tem a forma de um grande abraço.
A noite junta, o antes e o depois.
A noite foi pintada por  Van Gogh  com azuis, violetas e verdes.
A noite é apaixonada pela saudade.
A noite pinta de negro as árvores.
A noite desperta vontades...
A noite dá existência às estrelas, ás lanternas e às mariposas.
A noite adormecemos em um quadro do Renascimento.
A noite tem a mágica das pinturas de Francisco Goya.
A noite é quando se junta tudo dentro de nós.


*Este post é parte integrante do projeto Caderno de Notas – Quarta Edição, do qual participam as autoras Aurea Cristina, Claudia CostaFernanda FarturettoLunna GuedesMaria CininhaMariana Gouveia e Tatiana Kielbeman

Simples




Algumas vezes achei a vida bem complicada, acredito que ainda é. Mas eu me tornei simples. Não quero pensamentos intrincados, nem amor complicado.

Nem achar nada difícil, a realidade me parece simples.

Dificuldade, problemas sempre existem, mas parecem agora não ser mais o fim do mundo. O que mudou?  Mudou a disposição de conviver com a complicação.

É muito melhor pensar simples e ter ideias simples.  Não quero mais brigar pelo miolo do pão, pelo lugar na fila, pela toalha molhada no sofá.  

Não me importa mais a cortina... mas a lua na janela.

Não me importa almofada... mas ler um livro deitada no chão.

Não me importa  mais a marca da caneta tinteiro... quero escrever com esferográfica.

 Não me interessa a briga... mas o convite pra tomar um sorvete.

Não interessa que o sol não apareceu... mas comprar um vaso de flor amarela.


Ser simples leva tempo, mas quando  se chega  lá percebe-se que sobra mais tempo  pra viver.



*Este post é parte integrante do projeto Caderno de Notas – Quarta Edição, do qual participam as autoras Aurea Cristina, Claudia CostaFernanda FarturettoLunna GuedesMaria CininhaMariana Gouveia e Tatiana Kielbeman

Desde que o mundo é mundo




Não vejo qualquer razão para estar limitado ao tempo cronológico. Tanto quanto sabemos, o universo não fica ao tempo vinculado. Tanto como sabemos, é mais uma construção nossa, este culto do relógio e a ideia que existe um passado, um presente e um futuro organizado desta maneira  de forma obediente e que nunca troca de lugar. Porém em nossa própria vida  sabemos que não é bem assim, porque nós os seres humanos são capazes de se mover com a imaginação, para frente e para trás e de sair do próprio corpo. Sim isso todos nós podemos fazer através da imaginação, e convenhamos pode ser uma realidade mais interessante do que  a realidade bastante monótona do relógio. Pela imaginação, nos tornamos criadores de realidades que incluem todas as possibilidades. Na imaginação  a recompensa está no próprio ato que é prazeroso e lúdico, e não na vantagem utilitária que se pode obter dele. É um puro sonhar poético que brinca com a realidade, que dá outras versões para ela e a enriquece.



Post integrante do Projeto Caderno de Notas - Quarta Edição.
Do qual fazem parte as autoras 
Aurea Cristina Szczpanski, Cláudia Costa, Fernanda Farturetto,Lunna Guedes, Maria Cininha, Mariana Gouveia e Tatiana Kielberman

Tempo do Sonho







Por que será que à noite,que quero que a coisa que sonhei a vida toda aconteça naquele exato momento? É sempre assim a noite precipita meus sonhos, os velhos e os novos. Os sonhos se alimentam talvez de estrelas e de nuvens escuras?  Parece que os sonhos durante o dia dormem em um canto banhado de sol e ficam ali, tranquilos quentinhos esquecem o tempo, e as urgências que todo sonho tem. Ficam displicentes, aguardam aconchegados aos “S” dos dias.

Á luz  diurna parece que posso aguardam os dias, os meses, os anos, até chegar a vez de um sonho acontecer... Até às vezes me divirto com a minha ansiedade estampa na  minha própria sombra que o sol desenha no chão.


Mas a noite eles saem do cantinho sorrateiros e sobem pelo meu corpo causando um frenesi. E eu pobre coitada fico refém. Embota meus sentidos e confunde os sentimentos e emoções. Sonhos à noite aumentam a chama, aquecem o sangue, feri o coração. Tento organizar, pedir paciência, coerência, parcimônia, mas nada adianta lá estão eles se arrumando dentro da mim de um jeito meio triste, e de repente começo a não falar coisa com coisa.

Post integrante do Projeto Caderno de Notas - Quarta Edição.
Do qual fazem parte as autoras 
Aurea Cristina Szczpanski, Cláudia Costa, Fernanda Farturetto,Lunna Guedes, Maria Cininha, Mariana Gouveia e 
Tatiana Kielberman

Correspondência com meninos e meninas de uma escola em Criciúma.


Continuando a deliciosa correspondência com meus queridos meninos e meninas de Criciúma. MUITO BOA NOITE! Até!

Maria Cininha - essa pergunta que eu vou fazer é muito importante: Você tem asas mesmo? (Bruno O).

Oi Bruno, Você sabe que as asas e as capas voadoras, como as dos Super Heróis, tem a ver com a magia. E a magia não é fácil de encontrar e observar. As vezes ela é invisível, como as asas de uma fada, por exemplo. Mas eu tenho sim asas! Para vê-lá é preciso crença e imaginação, e para crer e imaginar temos que passar por um portal e qualquer coisa mágica pode virar um portal: feijão mágico, um sapatinho de rubi, espelhos ou um querido livro.
Portanto para ver a magia é preciso crer e imaginar... Em breve estaremos juntos, quem sabe a gente tem sorte e minhas asas estarão visíveis? Um grande beijo pra você Bruno até breve.