Marias são Tantas


As Marias aqui reunidas desejam que:

Que a beleza seja cotidiana
Que os sonhos se realizem
Que 2013 enriqueça a história de cada um de vocês.

Muito obrigado em nomes de todas as Marias

Feliz Natal

Esta Maria ganhou grandes asas negras para subir ao firmamento para alcançar as estrelas sem assusta-lás.
Por que ela sabe que o que escreve nas estrelas se realiza. Então...

SORTEIO MARIA 2013


Neste fim de ano eu gostaria de mandar uma Maria para cada um dos meus amigos. Dos velhos aos que chegaram em 2012. Em agradecimento a todos os comentários, sorrisos, cafezinhos, abraços, carinhos, encontros, exposições,  etc. Mas infelizmente é impossível. Então resolvi fazer um sorteio de uma Maria Mensageira. Neste caso uma mensageira de Feliz Ano Novo.

As Marias mensageiras  levam mundo afora amor, carinho, atenção, cuidado, conforto, amizade, ou tantos outros sentimentos  para dizer para alguém quanto ele (a) é importante. As Marias Mensageira em 2013 estarão em uma loja virtual. Aguardem...

Sobre elas ainda. Acomodadas em caixinhas tipo livro falso, (caixa Solander) em vários tamanhos e cores, acompanhada de texto que pode ser um texto genérico, mas pode ser também um personalizado para aquele alguém que tem tanto de especial que é impossível não ressaltar. Mais detalhes  só em 2013.
A Maria Mensageira do sorteio é a da foto. Segue em uma caixa 21CMX27CMX5CM, e com outros acessórios que não vou contar para não estragar a surpresa.

Para concorrer faça a inscrição lá no meu blog em comentário, não se esqueça de deixar o nome e e-mail, por favor. O concurso e para todo o mundo, mas  só garanto a entrega antes no Ano Novo para os que residem no Brasil.
O concurso está aberto do dia 18 de dezembro a 26 de dezembro, no dia 27 publico o vencedor (a) e providencio a entrega.

Só faltam duas Marias para encerrar o ano de 2012 que foi extremamente generoso para elas e para sua criadora, que só tem muito agradecer. Obrigado pela  por toda esta amizade que me engrandeceu. Um verdadeiro amigo é aquele que está sempre ao lado, de preferencia do lado esquerdo, e posso ser um pouco exibida? Meu lado esquerdo está sempre ocupado.
Muito obrigado a todos por tudo. Boa sorte.
Mariacininha
www.mariacininha.wordpress.com   OU  www.mariacininha.com

Eu, Ângela e o avô motorneiro


A história deste encontro está  em www.mariacininha.wordpress.com


Lua Bonita


Lua Bonita

Lua bonita,
Se tu não fosses casada
Eu preparava uma escada
Pra ir no céu te buscar
Se tu colasse teu frio com meu calor
Eu pedia ao nosso senhor
Pra contigo me casar
Lua bonita...
www.mariacininha.wordpress.com

Se o "para sempre" existisse



E se o para sempre existisse?
Se o sol nunca morresse no horizonte. Se a chuva nunca caísse. Se a pedra nunca rolasse. Se o riso nunca cessasse. Se o botão de flor não florescesse. Se a festa nunca acabasse.
Não podemos nem imaginar como seria a nossa vida sem a alternância, sem as escolhas, sem as mudanças. Acho que por este desejo de mudança ser tão intenso no ser humano é que de pequeninos nos ensinam os contos de fada a famosa frase: “e foram felizes para sempre”. Para que em um período da vida sejamos mais comedidos em nossos desejos.

Quando crescemos, descobrimos que felizes somos por alguns momentos, em qualquer relação que estabelecemos na vida, seja com outras pessoas, com lugares, profissão etc. O ser humano sempre tem necessidade de alternância e mudança, como bem disse na canção o saudoso Raul: “prefiro ser esta metamorfose ambulante do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo...”. Por isso, quando viajamos, voltamos revigorados. Ao ler um livro nos modificamos. Ao cortar os cabelos nos sentimos remoçados. Porque, por menor que seja a mudança, é um ato de renovação.

Em busca justamente de mudanças, deixo esta casa e me mudo para outro endereço virtual. Meu novo endereço:  www.mariacininha.wordpress.com. Espero que todos os seguidores, leitores e apreciadores do meu trabalho me acompanhem na minha nova morada.

Agradeço a todos, o carinho que recebi aqui. Por um ano www.mariacininha.com vai ficar ativo e quem aqui chegar encontrará este convite com meu novo endereço. Espero que todos vocês me acompanhem.
Em janeiro de 2013 chegará: Maria vai à praça. Uma nova missão das Marias ligada ao meio ambiente, em busca de formas para melhorar o lugar que moramos e nosso dia a dia. Gostaria de ter a colaboração de todos.
Espero vocês na casa nova com um buquê de flores nas mãos.
OBRIGADA.
Mariacininha

Obrigado, Thanks very much ,Grazie...

Quem conhece meu blog, sabe que vez ou outra faço um post de agradecimento, pois agradecer é sempre preciso.

Este é o motivo do post de hoje. Estou aqui novamente para agradecer: por todo o carinho, pelos comentários, aos amigos novos, aos amigos virtuais que se tornaram amigos pessoais, pelos presentes que recebo, pelos convites para exposições, pelas entrevistas, pelos seguidores e aos blogs que reproduzem meu trabalho. Por medo de me esquecer, não vou citar ninguém, mas sintam-se  todos abraçados por esta humilde artista, que nem gosta ser chamada assim.

Tenho sentido o resultado da delicadeza e do amor que tenho pelo meu trabalho, pelo que amo, pelo que crio. O amor que tenho nos passos que dou pelo caminho, na busca de mais um sorriso, de um novo parceiro de brincadeira e quando sou aceita tem seus reflexos nas manifestações que recebo, como o pedido de casamento que Maria das Horas recebeu, ou a oferta de asilo politico à Maria Ideuda caso ela tenha problemas com suas ideias arrojadas, ou ainda quando recebo todo o incentivo que vai me levar a Bologna Childrens Book Fair em 2013.  
Sinto que todos vocês aceitaram a simples e velha proposta, que a vida infelizmente faz questão de apagar com o decorrer do tempo.

Vamos brincar?

Obrigado a todos e por tudo!
Mariacininha

Um, dois, três, quem chegar por último é a mulher do sapo! Ou será do padre?

Maria Ideuda


Maria Ideuda

Maria Ideuda é um ser repleto de criatividade e mantem em sua casa uma criação de ideias. Sei que vocês vão questionar: Criação de ideias? Sim alguns gostam de criar cachorros, outros galinhas ou gatos, ela não. Ela cria ideias. Ideias em forma de borboletas.

Mas não pense que a vida de Maria Ideuda é fácil. Ela tem um trabalho danado para cuidar das ideias. Elas são voluntariosas, e algumas chegam a pretensão de  querer mudar o mundo. Outras, mais modestas, só querem mudar a vida de um ou outro, ou de um lugar. Há ainda as ideias atrevidas, transgressoras e valentes; as más ideias, aquelas que a gente se arrepende para o resto da vida, e as ideias relâmpagos que surgem e desaparecem em segundos. Há também as ideias irreverentes,  que aparecem a qualquer hora com qualquer tempo, e que se intrometem em assuntos que não são chamadas.

De vez em quando Maria Ideuda anda pela cidade e percebe que tem muita gente  apática e desanimada precisando de ideias novas, então junta em uma bolsinha um punhado de ideias em forma de borboletas e discretamente solta pela cidade. Entretanto ela sabe que as ideias  são caprichosas, leves, volúveis e displicentes e precisam de muita motivação para morar na alma ou no coração de alguém.
Muitas vezes são invisíveis,  breves, tocam de leve o ombro das pessoas e vão ficando, sem serem percebidas. Depois, se alojam na cabeça do sujeito, que de repente sente uma coceira na orelha; depois se sente um pouco incomodado e, de repente, tem algo diferente se intrometendo em seus pensamentos; surge, então, uma luz na cabeça, e lá está ela, a ideia! 

Porém quando são deixadas de lado ou esquecidas, as ideias, que na maioria das vezes são coloridas, perdem a cor, e em seu lugar fica a semente do ressentimento.  Entretanto o que alegra o coração desta Maria é saber que quando, uma ideia é forte ela rapidinho encontra morada no de alguém coração e acaba se transformando em um grande sonho.

Ao velho mago e mestre com carinho


O desenho com tesoura abolia de fato as fronteiras entre o pensamento, sentimento e expressão. Permitia-lhes concentrar-se no efeito global, uma destreza aperfeiçoada nos métodos mais tradicionais de desenhos, por meio da qual podia deixar de pensar nos elementos não essenciais, "tal como um malabarista em ação não pensa na chuva, no tabaco ou na cerveja enquanto o guarda-chuva, o maço de cigarros e a caneca de cerveja giram em seus dedos". 

Trecho do livro: Matisse uma vida 

Maria quer se casar

Esta Maria quer se casar, já fez até o vestido de noiva, o problema é que não encontrou ainda
o noivo que sonhou. Procura por alguém que:

Enxergue o reflexo da lua nas poças d’água.

Respeite sua religiosidade ateia.

Que ame cachorro e admire os gatinhos.

Não ache loucura quando ela para no meio da calçada para acompanhar o voo de uma
borboleta.

Entenda que pétala de flor caída no chão não é lixo.

Goste de dormir debaixo da janela para ver o sol nascer.

Cante no chuveiro, mas nunca se esqueça de que a água é um líquido precioso.

Ajude a arrastar e mudar os móveis de lugar, só para ganhar um ambiente novo.

Enxergue milagres no cotidiano.

Goste de ouvir histórias, pois ela tem muitas para contar.

Goste da casca do pão porque ela gosta do miolo.

Goste de brincar e que faça uma balança no quintal.

Saiba sempre onde está a chave do carro e das portas de casa.

Aprecie mais as rugas dos que as tatuagens.

Compreenda e console quando ela chorar pela derrubada de uma árvore.

Sorria quando ela assoprar todos os “dente de leão” que encontrar pela rua.

Respeite o seu direito de ter segredos.

Ame o canto dos passarinhos.

Faça um discurso inflamado de indignação frente a um rio sujo e poluído.

E que, quando passar por uma árvore em flor, lhe renda homenagem com um olhar demorado.

Não sei quando aparecerá este noivo e quanto tempo este vestido ficará na caixa.

Porque no fundo, Maria não é muito exigente, só diferente.

Bruxa Maria 2012


Esta Maria é Bruxa só por um acaso. Um vento travesso trouxe do mar ou do continente
uma porção de encantamento que atingiu Maria quando cantava em sua janela. Sua face
estremeceu, um galo cantou, um sino bateu. E Maria nunca mais foi a mesma.

Quem olha esta Maria de longe ou mesmo de perto não percebe nenhuma modificação,
continua andando de bicicleta, mas mantém, agora, uma vassoura roxa perto do portão. Não
usa bola de cristal, faz pesquisa no Google, mas vive assustada, e com torcicolo de tanto virar o
rosto na direção das sombras.

Anda com desejos irresistíveis e estranhos, como: costurar sombra e luz, fazer sopa de lágrima
de sereia com unha de galinha. Tem uma geladeira instalada na sua barriga, e perdeu a
capacidade de se apaixonar à primeira vista.

Mas ela começou a gostar dessa situação. Principalmente a parte da magia. Transformar sapo
em príncipe, ou príncipe em sapo, para ela é banal. Ela está à procura de outras magias, como
trazer as estrelas à terra, os anjos aos sonhos e iluminar florestas escuras com histórias.

Ser Bruxa para esta Maria é uma novidade. Porém, ela guarda em uma gaveta uma caixinha
antiga que abre nas noites de Halloween. Foi um presente da bisavó, que dizem, morava em
um tronco de árvore. De lá sai um caldeirão, uma vassoura dourada, uma capa roxa e um grito
sinistro. Maria nunca soube muito bem o que fazer com isso, só agora, depois que foi atingida
por um vento travesso. Na noite de Halloween, Maria deixa o caldeirão de lado, veste a capa
roxa e o grito sinistro, incrementa o figurino com teias de aranhas e um gato negro, pega sua
vassoura dourada e sai por aí varrendo as sombras.

Maria Abóbora


Como estamos à véspera do Halloween, momentos de magia bruxaria, e nós da cidade de São Paulo vamos decidir em segundo turno quem será o prefeito da nossa cidade. Esta Maria resolveu esculpir em uma  abóbora uma Jack Lanterna para  iluminar seu  caminho. Porque para ela os recursos interiores são importantes, mas ela jamais subestima a audácia da magia e da fantasia e de certo modo Maria Abóbora tem lá sua razão. Quem de nós, não conheceu em algum momento da vida, um sapo que virou príncipe, mas também um príncipe que virou sapo?
Que o voto seja consciente e que o domingo seja de sol.

Maria odeia horário de verão


Confunde a hora de dormir e a hora de acordar.
Confunde a hora de olhar pela janela  para ver o sol nascer.
É horário de verão, mas começa na primavera.
Confunde a hora de regar as plantas.
Confunde a florzinha “Onze horas” que abre ao meio dia.
Confunde a hora de acender o abajur da sala.
Confunde a hora da Ave Maria.
Confunde a  meia noite na  noite de Natal.
Confunde a chegada do Ano Novo
Confunde  o  banho que Maria gosta de tomar na escuridão do anoitecer iluminado por uma simples velinha perfumada.
Enfim, confunde os sentidos.
Pensando nisso Maria chegou a conclusão que  o horário de verão  não é ideia nem de cientista e nem de artista. É coisa de burocrata. E Deus nos salve desta praga nacional.
E dá uma sugestão: Caros senhores burocratas leiam poesia. Por exemplo, Raquel de Queiroz: “Cada coisa tem a sua hora, cada hora tem o seu cuidado.”

Paixão imprevisível

A paixão não escolhe alvo. De repente nos liga a algo imprevisível. Se acontecer se apaixonar, por porquinho cor de rosa ou coruja lilás, não se assuste, é possível viver com isso e encontrar poesia nas suas manhãs.

Mudanças


"O dia de hoje me mandou arrumar os cantos da casa e acho que consegui. Mudei umas coisas daqui, outras, dali... E pronto: inventei uma "nova casa". Ás  vezes é preciso inventar novos cenários para que a vida  não se sinta "pregada" as mesmas formas."
Trecho do  O Diário das Quatro Estações  Volume Noturno de Lunna Guedes

Maria Verbena


Dizem que a primeira professora é como o primeiro amor jamais se esquece. Eu jamais esqueci a Maria que foi minha professora pelos quatro anos do antigo primário. Ela me ensinou a ler e escrever, a conhecer os números, a reconhecer os rios e seus afluentes, a recitar poesia, a gostar de ler histórias, a encapar livro, a bordar as margens dos cadernos com flores e frutinhas  coloridos a lápis de cor.

Com ela aprendi a cantar. Jamais esqueci a musica das conchinhas, em que ela enfatizava a necessidade de obedecer nossos pais. Tenho guardada entre os meus guardados mais querido a sua carta de despedida escrita a lápis, porque no dia em que ela saiu daquela escola  eu estava doente e não fui a aula.
Tenho gravada na minha memoria  o primeiro dia em que a vi.

Tive vários professores alguns inesquecíveis outros fiz questão de esquecer, mas quando chega o dia do professor é sempre de Maria Verbena minha inesquecível professora que me lembro.
Parece que foi ontem.

Acredito que professor não é o que ensina, mas o que faz a gente se apaixonar pelo conhecimento.
Feliz dia do Professor.

Maria Francisco


Nasceu no dia de São Francisco, talvez por isso adore tanto os animais. Defende o meio
ambiente e faz coleção de imagens de São Francisco.

Porém, ela admite que certas pessoas não se encantam com o canto dos passarinhos. Não se
seduzem pelos coloridos das borboletas. Que não achem divertido seguir caminho de formiga.
Que não se apaixonem pelo olhar de cão. Que não apreciem a doce companhia de um gatinho.
Que não parem no meio da praia para acompanhar o voo de uma gaivota. Que não gostem
de ir ao zoológico para não ver os animais confinados. E nunca se interessaram por olhar
detalhadamente uma artística teia de aranha.

Correto. Nem todo mundo precisa amar os animais! O que ela afirma é que amar pode não
ser preciso, mas é urgente respeitar e compreender que o planeta tem que ser dividido
respeitosamente entre os humano e todas estas incríveis criaturas, para seu perfeito
equilíbrio e benefício de todos.

Agradeço a São Francisco, por ter colocado na minha vida, a Lua, esta incrível cachorrinha que me ensina todos os dias o que é ternura, paciência, companheirismo e amor incondicional. 

Com licença de Pablo Picasso

Colagem baseada na litografia de  de Pablo Picasso. "Mulher na Poltrona" 1948. Quarto estado negro.

Picasso, quando fez 80 anos, declarou a um jornalista "[...] Bem, diga-lhes que se não existissem espelhos eu não saberia a minha idade, e que levei oitenta anos para ficar jovem"  Quando advertido de que já tinha dito isto no sei septuagésimo aniversário, respondeu: "Bem, então diga-lhes que ainda acredito nisso!"

Trecho: " A criatividade envelhece? Coisas que nos fazem pensar se tudo tem hora de acabar" Mariacininha

Com licença de Amadeo Modigliani

Colagem baseada na obra "A mulher do artista" de 1918

Estudiosos em artes plásticas dizem que a obra de Modigliani não se enquadra em nenhuma escola ou movimento artístico da época. Sua obra tem um estilo único, embora apresente algumas características do Expressionismo como a deformação, fundamentalmente no pescoço. Gostava de pintar mulheres, valorizou as cores como vermelho e o amarelo, e buscou mostrar alguns sentimentos humanos como tristeza e melancolia. Em alguma de suas pinturas, os olhos aparecem só marcados com tinta branca, dizem que ele só pintava os olhos de alguém se conseguisse  conhecer sua alma .
Teve uma vida breve. Boêmio, doente e viciado em drogas, morreu com 37 anos (1884 -1920). Parisot seu biografo, diz que vida de Modigliani  tem muitas lacunas e  mesmos os seus amigos mais íntimos não conheciam as suas verdadeiras intenções e desejos mais secretos. Assim se criou uma lenda. Seu grande amor Jeanne Hérbuterne,  gravida de 6 meses, suicida-se 2 dias depois morte do pintor.
Quando vejo um quadro de Modigliani há uma suspenção da  realidade, rendo-me a este feiticeiro da arte.

Encerrando as Marias Primavera de 2012



Obrigado Lunna Guedes. Fiquei honrada com a oportunidade de escrever sobre está doce estação em seu blog, que para mim é o santuário das palavras. Obrigado

Maria Primavera

Vê, estão voltando as flores
Vê, nessa manhã tão linda
Vê, como é bonita a vida
Vê, há esperança ainda
Vê, as nuvens vão passando
Vê, um novo céu se abrindo
Vê, o sol iluminando
Por onde nós vamos indo

Paulo Soleda

Amo as árvores e não tenho preguiça de varrer folhas.



É ela que joga uma florzinha  no meu cabelo só porque passei por perto
É nela que amarrei o meu primeiro balanço, e acreditei alcançar as estrelas.
É em sua sombra, o lugar mais aconchegante para ler um livro.
É  em seu tronco, que fica eternizada certas histórias de amor.
É para seu colo que foge os gatinhos, quando se sentem assustados e sem proteção.
É nela que moram centenas de passarinhos.
É ela que nos dá aula de renovação, quando no outono joga todas as suas folhas no chão e espera paciente as novas folhas que firam.
É dela o fruto que faz o suco  e torna mais doce a nossas manhãs.
É ela que perde a vida só porque alguém quer uma cadeira nova.
É ela que enfeita jardins, praças, portarias de prédios, quintais. Na maioria das vezes passa um dia inteiro sem receber um olhar.
É dela uma das primeiras formas que os pequeninos desenham no papel.
É nela que os antigos diziam que moravam os deuses.
É ela que purifica o ar que respiramos.


Maria Amiga


Foi na Casas das Rosas na Avenida Paulista, que conheci está Maria. Só poderia ser lá: São Paulo, história, rosas, tarde agradável, cafezinho,  poesia. Foi neste mesmo encontro  que ouvi  dela o maior elogio que poderia receber: “Mariacininha você se parece com seu desenho” nunca ninguém me fez um elogio tão grandioso. Foi amizade à primeira vista.
Esta Maria com “um jeito de quem nada quer”, parece que está sempre em outro planeta. Andar despretensioso, sóbria, simples, mas quando alguém de quem ela gosta se aproxima, logo nasce um doce sorriso. Disfarça, mas coloca emoção em tudo que faz, tem senso de humor, é criativa, brincalhona, e quando nem tudo dá certo, quer arrancar os cabelos.  Recomendo sair de perto.
Está sempre indo, não para. Anda sempre acompanhada de sua mochila, e quem tem olhos para poesia pode ver que dentro desta mochila tem; um castelo, uma lagrima de sereia, um livro querido, receitas de magias, folhas de árvore, corações cintilantes, sonhos contidos e sonhos inaugurados. Ah! de vez em quando carrega uma lua crescente nas mãos, mas só de vez em quando.
Assim é está Maria Amiga, uma amiga e Maria de carne e osso. Junto com seu aniversário comemoro também os dois anos do nascimento da Série Marias.
Que bom ter tantos motivos para comemorar.
Parabéns Francy's!

Maria Primavera 4


Esta Maria acha que a Primavera combina com:

Flor nos cabelos
Jarro amarelo de bolinhas brancas
Cortina esvoaçante
Calçada colorida pelas flores caídas
Canto de sabiá
As palavras seda, surpresa, veludo
Jardineiro
Lua e estrelas
Chuva, muita chuva
Poça d’água
Encontros
Nota musical
Quadros de Van Gogh
Fita colorida
Borboleta no nariz

E a sua Primavera combina com que?

Maria Primavera 3


Porque é quase Primavera.
"Ela me abraçava forte quando eu deitava, eu segurava firma suas contas cor-de-rosa com minhas duas mãos, fechava os olhos e me imaginava caminhando por infindável campo de flores. " Pise bem de leve", dizia Yasmina, "assim você vai conseguir ouvir a cação das flores. Elas estão cantando baixinho: salam, salam (paz, paz). Eu ficava repetindo o refrão das flores o mais depressa possível, o perigo desaparecia e eu caia no sono. Salam, Salam, murmuravam as flores, Yasmina e eu."

Trecho do livro : Sonhos de Trangressão de Fatima Mernissi

Maria Sabiá 4


Neste mês de setembro esta Maria tem a sua vida enfeitada pelo som do canto do Sabiá. Acorda de madrugada a sinfonia está na maior afinação, volta a dormir como se ouvisse a voz de um  anjo. E quando anda pela calçada procura sempre entres os fios, os telhados e as árvores onde está a encantadora criatura dona de um canto impregnado de magia e emoção, que inspira tantos poetas. 
 Maria, fantasia que assim como ela estes poetas tem dentro de si, pousado sobre uma pata, um Sabiá.
Pede então a companhia de: Roberta Miranda, Manoel de Barros, Chitãozinho e Chororó, Tom Jobim e Chico Buarque, para louvar os Sabiás.

Ah! to indo agora pra um
lugar todinho meu
Quero uma rede preguiçosa
pra deitar
Em minha volta sinfonias 
de pardais
Cantando para a Majestade 
o Sabiá.
Roberta Miranda


A ciência pode classificar e nomear os órgãos de um sabiá
mas não pode medir seus encantos.
A ciência não pode calcular quantos cavalos de força 
existem
nos encantos de um sabiá.
Quem acumula muita informação perde o condão de adivinhar: divinare.
Os Sabiás divinam.
Manoel de Barros


Ai quem me dera Sabiá
Ter seu canto e arrancar esta tristeza do meu peito
De um amor que não tem jeito.
Me dê asas pra  voar.
Chitãozinho e Chororó 

Vou voltar
sei que ainda vou voltar
Para o meu lugar
Foi lá e é ainda lá
Que eu hei de ouvir cantar
uma Sabiá.
Chico Buarque e Tom Jobim

Maria Primavera 2


Ciranda
Vem de um lugar chamado Flores
Esta ciranda
De tantas cores
Vem nos aliviar as dores
Os maus olhados
Os dissabores

Ó, cirandeiro, cirandeiro
Que faz ciranda o tempo inteiro
Só por folia
Só por amor

Vem de um lugar chamado Flores
Esta ciranda 
De tantas cores
Vem nos falar dos trovadores
Dos bem-amados
Dos benfeitores

Ó, cirandeiro, cirandeiro
Que faz ciranda o tempo inteiro
Só por folia
Só por amor

de Moacir Santos/ Gilberto Gil

Maria Primavera 1

Eu adoro o Outono é minha estação preferida. Mas como ficar indiferente a Primavera? Esta estação que coloca em alerta todos os nossos sentidos.
Escolhi está data 11 de setembro para iniciar uma seleção de Marias Primaveras, porque o mês de setembro combina com flor e não com horror.

..."Mas também é verdade que a aspereza de nossas vidas fez com que embotássemos os sentidos, que tivéssemos vergonha de nossos sentimentos e emoções. E, no entanto, oferecer uma rosa seria tão simples. Tão simples e urgentemente necessário"  Affonso Romano de Sant'Anna

Maria Regador


Ontem esta Maria foi passear no centro da cidade onde ela nasceu. Fazia muito tempo que não fazia isso. E olha que as coisas não melhoraram nada por lá. Calçadas quebradas, sujas,  muito lixo pelo chão. Lixeiras? Quando têm, quebradas.  Mau cheiro, os prédios deteriorados, alguns ainda deixam transparecer a bela arquitetura de outrora, o que reforçou o sentimento de tristeza de ver sua cidade ao abandono. Maria lamentou o pobre poder publico que tem está cidade.

Para piorar a temperatura alta completamente fora de hora, uma baixíssima unidade do ar e por consequente os poucos jardins e praças completamente secos. O verde deu lugar aos tons Siena e marrom. Poucas azaleias resistiram e ainda oferecem suas flores de final de uma florada sofrida pela falta de água.
Pela cidade de vez em quando um vento mais forte e quente levantava  poeira e derrubava no chão os totens dos vários candidatos a vereador e prefeito. Com todo gosto do mundo Maria pisou na cara de cada um deles. Lógico que foi só um gesto simbólico do desprezo desta Maria pelos políticos, mas foi quase o maior prazer do passeio.
De resto Maria voltou para casa com uma vontade imensa de ter duas asas poderosas e um enorme regador para regar todas as praças e jardins.

Maria senhora do tempo


Eu acredito que o tempo seja o Senhor de tudo, e que cada dia traz uma nova realidade, de um recomeço. A esperança não morre jamais se pensarmos que o tempo cura feridas, traz alegria, conforta o coração e por que não soluciona conflitos.
Eu acredito em dia após dia, em lagrima seca após um choro convulsivo, em sorriso brando depois de um abraço forte, de uma gargalhada ímpar depois de uma conversa.
Eu acredito que é possível ser feliz, pois felicidade é diária e feita de pequenos momentos. Momentos esses que ficam para sempre gravados no coração, impregnados na alma como perfume bom, fresco e suave de uma manhã ensolarada.
Eu acredito que tudo passa, mas o perfume vai ficar, o suspiro, a respiração, o olhar terno, e o sorriso tímido.
Eu acredito...

Caminhos & ( Des) Caminhos do Diário das quatro Estações de Letícia Alves

Maria Y e o Sr. X


Foi uma  querida e breve amizade. Por seis anos moraram no mesmo prédio. Todas as sextas à tarde a campainha do apartamento de Maria tocava, ela já sabia, era o Sr. X com as mãos cheias de caixinhas de DVDs. Fazia uma resenha de cada um antes de entregar os filmes, falava do diretor, da produção, se era um filme baseado em literatura, se era musical, falava sobre os atores e etc. O Sr. X  que só estudou até o curso primário, teve por alguns anos, uma coluna no jornal da cidade, onde fazia critica de filmes. Era um sujeito raro.

 O Sr. X tinha por volta de 76 anos, um sujeito mansinho, sossegado, discreto e pouco  sorria. Mas quando o assunto era cinema, se  transformava. Maria, nunca se esquecerá do dia em que ele lhe apresentou a versão antiga, de 1956, do filme Ana e o Rei, com Deborath Kerr e Yul Brynner, que magia, que belo filme, ou  De - Lovely  filme que conta vida conturbada do grande músico  Cole Porter, ou quando detalhou  a técnica do croma-qui (croma Key) com a mesma desenvoltura que falava das novas tecnologias de filmes, como Avatar. Maria guarda com muito carinho o DVD do “Carteiro e o Poeta” que ganhou do Sr. X, um filme que ambos gostavam muito. 

Esta semana o Sr. X se foi e para acalmar seu coração, Maria fantasia que, ele deve ter sido recebido lá no céu com fantásticos efeitos especiais e agora deve estar sentado em uma estrela falando com desenvoltura sobre as novas tecnologias do cinema para Alfred Hitchcock.

FIM


Muito obrigado


Dizem que está palavra é magica! Acho que deve ser sim. Pois  é uma das primeiras palavras que as mães ensinam aos filhos quando começam a falar. Dizem também que tem o poder mágico de provocar, gentileza. sorrisos, carinhos, reconhecimento.
Também dizem que em certas ocasiões não expressa a nossa verdadeira gratidão. Também concordo. Mas como ainda não  encontrei no dicionario nada mais apropriado:
Muito obrigado Norma pelo belo presente
Muito obrigado Katia Bonfadini pela entrevista e pela oportunidade de aparecer no seu blog.
http://casosecoisasdabonfa.blogspot.com.br/

OBRIGADO NORMA


Obrigado Norma pela gentileza, pelo presente fantástico que ganhei. Fiz um agradecimento publico lá no Facebook, pois não poderia ser diferente. 
Olha como ficou o meu cantinho? Só o lado arrumadinho!!!
Vai ficar sempre ao meu lado. Agora que luxo de chaleira, depois vou tirar foto dela na minha cozinha.
OBRIGADO!

Com licença de Pablo Neruda


Adoro o “Livro das Perguntas” de Pablo Neruda. É um livro que está sempre a minha mão. É uma fonte de inspiração e encantamento com suas perguntas sem respostas.
 Ou seriam perguntas com muitas respostas, ou para não serem respondidas?
 Ou talvez perguntas para provocar a imaginação?
Ou quem sabe para trazer a poesia ao cotidiano das indagações?
Mas isso não tem a mínima importância...  Assim são os artistas: provocadores, imprecisos.
 Pablo Neruda pergunta:

“De que ri a melancia quando a estão assassinando?”

“Não crês que os dromedários guardam luas em suas gibas?”

“E o mar não está emprestado à terra por curto prazo?”
“Não teremos que devolvê-lo com suas marés à lua?”

Pablo Neruda morreu no dia 11 de setembro 1973. Com toda a evolução tecnológica que o mundo enfrentou de lá para cá, se hoje ele estivesse entre nós, teria uma infinidade de outras perguntas para enriquecer nosso imaginário. Como não está!
Com licença de Pablo Neruda:

“Se hoje as informações estão armazenadas nas nuvens, para onde se mudaram os anjos?”

Maria, pretinho nem tão básico assim.


Maria em frente ao seu armário de roupas, suspirou resignada. Pegou qualquer um dos vestidos. Afinal todos são semelhantes, principalmente na cor, todos pretos.

Não pode deixar de relembrar dos seus vestidos da infância e da adolescência. Do vestido de tule azul de bolinhas brancas e da sensação de se tornar uma princesa cada vez o vestia. Ou o vestido xadrezinho vermelho e sutache na gola branca, modelo copiado de uma boneca de uma vitrine.

Todos os vestidos podiam variar de modelos, rodados e armados, ou meio lambidos, com bordados, com rendas, coloridos, ou com lindas estampas de florzinha, casinhas, frutinhas, mas tinha sempre para arrematar duas faixas que saiam das duas laterais da cintura e se encontravam em um enorme laço nas costas. Parece que este laço atestava a meninice. De vez em quando, dependendo da ocasião, os vestidos eram engomados e o laço ganhava status de borboleta.
Para arrematar o figurino infantil, laço na cabeça, sapato tipo boneca e meia soquete.



Com os passar dos anos o laço nos cabelos, as meias, a roda do vestido, os bordados... Foram sendo deixados para trás. Enfim,  estas perdas ou mudanças no modo de se vestir mostrava para ela própria e para os outros que estava crescendo.

A mudança de meia soquete para meia calça, o cinto fininho sobre a cintura, o vestido justinho, as saias curtas, o uso do batom, a calça jeans, pintar as unhas, cortar as tranças, entre outras, independente de modismo, eram ritos de passagem da criança para a idade adulta. E ficaram todas estas etapas e suas emoções marcadas no peito desta Maria como a travessia de uma ponte mágica.

Em frente ao seu armário de roupas, Maria despertou de suas lembranças, vestiu um   pretinho básico Mas antes de sair se enfeitou com flores. Olhou no espelho e sorriu, sentindo aquela sensação de ser princesa da novamente, e o seu pretinho não ficou tão básico assim.

Banquete Literário.

Obrigado Lunna, Madalena,  Fabiana,  Francy's , Letícia e a Suzana pela tarde de ontem.

Diários das Quatro Estações


Quatro meninas. Mulheres. Quatro elementos. Estações do ano.

muito mais de Quatro mil palavras numa folha…



O lançamento será no dia 25 de agosto as 16 horas na Biblioteca Alceu Amoroso Lima
será no dia 25 de agosto as 16 horas na Biblioteca Alceu Amoroso Lima 
dia 25 de agosto as 16 horas na Biblioteca Alceu Amoroso Lima
as 16 horas na Biblioteca Alceu Amoroso Lima
na Biblioteca Alceu Amoroso Lima


Maria Sabiá 3


Está Maria pede desculpa pela repetição. Acontece que seu coração se enche de alegria e esperança quando anunciando a primavera o sabiá começa a cantar.