Lua Bonita


Lua Bonita

Lua bonita,
Se tu não fosses casada
Eu preparava uma escada
Pra ir no céu te buscar
Se tu colasse teu frio com meu calor
Eu pedia ao nosso senhor
Pra contigo me casar
Lua bonita...
www.mariacininha.wordpress.com

Se o "para sempre" existisse



E se o para sempre existisse?
Se o sol nunca morresse no horizonte. Se a chuva nunca caísse. Se a pedra nunca rolasse. Se o riso nunca cessasse. Se o botão de flor não florescesse. Se a festa nunca acabasse.
Não podemos nem imaginar como seria a nossa vida sem a alternância, sem as escolhas, sem as mudanças. Acho que por este desejo de mudança ser tão intenso no ser humano é que de pequeninos nos ensinam os contos de fada a famosa frase: “e foram felizes para sempre”. Para que em um período da vida sejamos mais comedidos em nossos desejos.

Quando crescemos, descobrimos que felizes somos por alguns momentos, em qualquer relação que estabelecemos na vida, seja com outras pessoas, com lugares, profissão etc. O ser humano sempre tem necessidade de alternância e mudança, como bem disse na canção o saudoso Raul: “prefiro ser esta metamorfose ambulante do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo...”. Por isso, quando viajamos, voltamos revigorados. Ao ler um livro nos modificamos. Ao cortar os cabelos nos sentimos remoçados. Porque, por menor que seja a mudança, é um ato de renovação.

Em busca justamente de mudanças, deixo esta casa e me mudo para outro endereço virtual. Meu novo endereço:  www.mariacininha.wordpress.com. Espero que todos os seguidores, leitores e apreciadores do meu trabalho me acompanhem na minha nova morada.

Agradeço a todos, o carinho que recebi aqui. Por um ano www.mariacininha.com vai ficar ativo e quem aqui chegar encontrará este convite com meu novo endereço. Espero que todos vocês me acompanhem.
Em janeiro de 2013 chegará: Maria vai à praça. Uma nova missão das Marias ligada ao meio ambiente, em busca de formas para melhorar o lugar que moramos e nosso dia a dia. Gostaria de ter a colaboração de todos.
Espero vocês na casa nova com um buquê de flores nas mãos.
OBRIGADA.
Mariacininha

Obrigado, Thanks very much ,Grazie...

Quem conhece meu blog, sabe que vez ou outra faço um post de agradecimento, pois agradecer é sempre preciso.

Este é o motivo do post de hoje. Estou aqui novamente para agradecer: por todo o carinho, pelos comentários, aos amigos novos, aos amigos virtuais que se tornaram amigos pessoais, pelos presentes que recebo, pelos convites para exposições, pelas entrevistas, pelos seguidores e aos blogs que reproduzem meu trabalho. Por medo de me esquecer, não vou citar ninguém, mas sintam-se  todos abraçados por esta humilde artista, que nem gosta ser chamada assim.

Tenho sentido o resultado da delicadeza e do amor que tenho pelo meu trabalho, pelo que amo, pelo que crio. O amor que tenho nos passos que dou pelo caminho, na busca de mais um sorriso, de um novo parceiro de brincadeira e quando sou aceita tem seus reflexos nas manifestações que recebo, como o pedido de casamento que Maria das Horas recebeu, ou a oferta de asilo politico à Maria Ideuda caso ela tenha problemas com suas ideias arrojadas, ou ainda quando recebo todo o incentivo que vai me levar a Bologna Childrens Book Fair em 2013.  
Sinto que todos vocês aceitaram a simples e velha proposta, que a vida infelizmente faz questão de apagar com o decorrer do tempo.

Vamos brincar?

Obrigado a todos e por tudo!
Mariacininha

Um, dois, três, quem chegar por último é a mulher do sapo! Ou será do padre?

Maria Ideuda


Maria Ideuda

Maria Ideuda é um ser repleto de criatividade e mantem em sua casa uma criação de ideias. Sei que vocês vão questionar: Criação de ideias? Sim alguns gostam de criar cachorros, outros galinhas ou gatos, ela não. Ela cria ideias. Ideias em forma de borboletas.

Mas não pense que a vida de Maria Ideuda é fácil. Ela tem um trabalho danado para cuidar das ideias. Elas são voluntariosas, e algumas chegam a pretensão de  querer mudar o mundo. Outras, mais modestas, só querem mudar a vida de um ou outro, ou de um lugar. Há ainda as ideias atrevidas, transgressoras e valentes; as más ideias, aquelas que a gente se arrepende para o resto da vida, e as ideias relâmpagos que surgem e desaparecem em segundos. Há também as ideias irreverentes,  que aparecem a qualquer hora com qualquer tempo, e que se intrometem em assuntos que não são chamadas.

De vez em quando Maria Ideuda anda pela cidade e percebe que tem muita gente  apática e desanimada precisando de ideias novas, então junta em uma bolsinha um punhado de ideias em forma de borboletas e discretamente solta pela cidade. Entretanto ela sabe que as ideias  são caprichosas, leves, volúveis e displicentes e precisam de muita motivação para morar na alma ou no coração de alguém.
Muitas vezes são invisíveis,  breves, tocam de leve o ombro das pessoas e vão ficando, sem serem percebidas. Depois, se alojam na cabeça do sujeito, que de repente sente uma coceira na orelha; depois se sente um pouco incomodado e, de repente, tem algo diferente se intrometendo em seus pensamentos; surge, então, uma luz na cabeça, e lá está ela, a ideia! 

Porém quando são deixadas de lado ou esquecidas, as ideias, que na maioria das vezes são coloridas, perdem a cor, e em seu lugar fica a semente do ressentimento.  Entretanto o que alegra o coração desta Maria é saber que quando, uma ideia é forte ela rapidinho encontra morada no de alguém coração e acaba se transformando em um grande sonho.

Ao velho mago e mestre com carinho


O desenho com tesoura abolia de fato as fronteiras entre o pensamento, sentimento e expressão. Permitia-lhes concentrar-se no efeito global, uma destreza aperfeiçoada nos métodos mais tradicionais de desenhos, por meio da qual podia deixar de pensar nos elementos não essenciais, "tal como um malabarista em ação não pensa na chuva, no tabaco ou na cerveja enquanto o guarda-chuva, o maço de cigarros e a caneca de cerveja giram em seus dedos". 

Trecho do livro: Matisse uma vida 

Maria quer se casar

Esta Maria quer se casar, já fez até o vestido de noiva, o problema é que não encontrou ainda
o noivo que sonhou. Procura por alguém que:

Enxergue o reflexo da lua nas poças d’água.

Respeite sua religiosidade ateia.

Que ame cachorro e admire os gatinhos.

Não ache loucura quando ela para no meio da calçada para acompanhar o voo de uma
borboleta.

Entenda que pétala de flor caída no chão não é lixo.

Goste de dormir debaixo da janela para ver o sol nascer.

Cante no chuveiro, mas nunca se esqueça de que a água é um líquido precioso.

Ajude a arrastar e mudar os móveis de lugar, só para ganhar um ambiente novo.

Enxergue milagres no cotidiano.

Goste de ouvir histórias, pois ela tem muitas para contar.

Goste da casca do pão porque ela gosta do miolo.

Goste de brincar e que faça uma balança no quintal.

Saiba sempre onde está a chave do carro e das portas de casa.

Aprecie mais as rugas dos que as tatuagens.

Compreenda e console quando ela chorar pela derrubada de uma árvore.

Sorria quando ela assoprar todos os “dente de leão” que encontrar pela rua.

Respeite o seu direito de ter segredos.

Ame o canto dos passarinhos.

Faça um discurso inflamado de indignação frente a um rio sujo e poluído.

E que, quando passar por uma árvore em flor, lhe renda homenagem com um olhar demorado.

Não sei quando aparecerá este noivo e quanto tempo este vestido ficará na caixa.

Porque no fundo, Maria não é muito exigente, só diferente.