Com que direito se conta a própria vida?

APA  Association  Pour  l’Autobiographie é uma associação criada em 1901 e refundada e reconhecida  como interesse geral de 1992, por Philippe Lejeune  na França.
O Objetivo desta associação é ler – sem qualquer finalidade de avaliação – e guardar  o patrimônio autobiográficos (diários, autobiografias, romance autobiográfico, etc.) Dependendo da vontade do depositante, seu manuscrito pode ser encontrado ou  não em um espaço de 50 anos. Pela quantidade de escritos íntimos que APA  recebe, pode-se observar que a necessidade  dos autores de escritos íntimos de criarem uma memória e de serem lidos, mesmo que por estranhos, é enorme.

A  associação  destaca que a principal interesse  em manter tantos manuscritos íntimos não é  a curiosidade  é uma extrema necessidade de conhecer um pouco mais sobre o ser humano. Além disso, a associação faz parte de um movimento europeu, cujo “objetivo é reconhecer a variedades de vidas extraordinárias e ajudar em longo prazo maior integração entre as culturas”  principalmente na Europa.

Lejeune diz que a associação no inicio causou espanto já que autobiográficos ou diaristas, supostamente são individualistas e narcisistas, como poderiam se associar?  Ele completa:
 “ Ora é claro que sim! Quando se reflete sobre a própria vida, é possível se interessar pela dos outros, por comparação e simpatia”





Abaixo parte da entrevista com o Philippe  Lejeune a revista Ipotesi de Juiz de Fora em 2004:

A autobiografia é um ato excepcional e intimidador: com que direito conta-se  a própria vida? É preciso de alguma maneira  estar legitimado. Além disso, como construir uma narrativa que prenda a atenção dos outros? É uma arte difícil. A autobiografia é pois um ato pouco frequente: poucas são escritas embora muitas sejam lidas. Já com diário acontece exatamente o contrario: muitos são escritos e poucos são lidos. O diário não intimida. Todos acham ter o direito de escrever um e se creem capaz de fazê-los. Mas quase nunca publicada  e é frequentemente destruída. O centro da cena, nas livrarias, é ocupado pelos diários de escritores que são muito interessantes, é claro, mas não são representativos. “

Lejeune ainda acrescenta que  deveria ter no Brasil uma pesquisa  sobra a prática do diário:
“Basta acrescentar uma pergunta a esse respeito em uma pesquisa estatística nacional (por exemplo sobre praticas culturais). Ou então fazer uma pesquisa “qualitativa”, através de um anúncio publicada na mídia: “ se você tem um diário, fale sobre ele!” . Ou então, distribuir questionários em escolas e universidades.”

Que mundo mágico é o mundo dos diários, quanto mais me aprofundo nele mais fico encantada. Eu MariaCininha,   Lunna Guedes, Tatiana Kielberman, Raquel Stanick estamos no projeto Diário das Quatro estações, lançamento no dia 31 de agosto de 2013 na Biblioteca Alceu de amoroso Lima as 16.00 horas.

Poeta Mario Quintana




DAS UTOPIAS
Se as coisas são inatingíveis... ora!
Não é motivo para não querê-las...
Que tristes os caminhos, se não fora
A presença distante das estrelas!

Mario Quintana

Poeta Neruda


É Proibido

É proibido chorar sem aprender,
Levantar-se um dia sem saber o que fazer
Ter medo de suas lembranças.

É proibido não rir dos problemas
Não lutar pelo que se quer,
Abandonar tudo por medo,

Não transformar sonhos em realidade.
É proibido não demonstrar amor
Fazer com que alguém pague por tuas dúvidas e mau-humor.
É proibido deixar os amigos

Não tentar compreender o que viveram juntos
Chamá-los somente quando necessita deles.
É proibido não ser você mesmo diante das pessoas,
Fingir que elas não te importam,

Ser gentil só para que se lembrem de você,
Esquecer aqueles que gostam de você.
É proibido não fazer as coisas por si mesmo,
Não crer em Deus e fazer seu destino,

Ter medo da vida e de seus compromissos,
Não viver cada dia como se fosse um último suspiro.
É proibido sentir saudades de alguém sem se alegrar,

Esquecer seus olhos, seu sorriso, só porque seus caminhos se
desencontraram,
Esquecer seu passado e pagá-lo com seu presente.
É proibido não tentar compreender as pessoas,
Pensar que as vidas deles valem mais que a sua,

Não saber que cada um tem seu caminho e sua sorte.
É proibido não criar sua história,
Deixar de dar graças a Deus por sua vida,

Não ter um momento para quem necessita de você,
Não compreender que o que a vida te dá, também te tira.
É proibido não buscar a felicidade,

Não viver sua vida com uma atitude positiva,
Não pensar que podemos ser melhores,
Não sentir que sem você este mundo não seria igual.

Navegar



Nesta vida navegamos o mar e na outra vida navegamos o céu. 
Eu gostaria de um dia ser um barqueiro entre as estrelas. 

Diário de Artista

Diário de artista


A história da Arte agradece ao diário de artista o seu enriquecimento. Foi através de alguns diários que se compreendeu a formação de um movimento artístico e suas características, além das reflexões e  processo criativo de alguns artistas.
Foram muitos os diários muitas vezes não organizados como um diário. Mas sim um amontoado de anotações em papeis, envelopes, parede e verso de telas.



“O Diário de um artista” de Paul Klee 1879-1940. Pintor suíço naturalizado alemão, com estilo peculiar porém influenciado por diferentes artistas e movimentos artísticos. Em seu diário conta a sua relação com arte, lembranças da infância, sonhos e reflexão sobre a pintura e a arte, além da sua obsessão pela cor. Seu diário deu origem a um belo documentário “O Diário De Um Artista”.



“Um Auto-retrato Íntimo” é o nome do diário que se tornou livro da pintora e artista mexicana Frida Kahlo.1907-1954. Frida escreveu seu diário nos últimos 10 anos de vida. Nele reflexões sobre a arte, suas dores físicas, seu romance com Diego Rivera. A dor está estampada em toda a obra de Frida e em sua vida. Como retrata a última frase de seu diário. “Espero alegremente a saída  e espero nunca mais voltar.”



“Diário de um Gênio” é o nome do diário que se tornou livro de Salvador Dali 1904 -1989. Pintor espanhol surrealista. Seu diário, assim como os anteriores, permite vislumbrar o processo criativo. Além das questões de forma perspectiva e o papel do inconsciente na atividade criativa. Está presente em seu diário também seu amor arrebatador por Gala, mulher por quem se apaixonou em um fim de semana  e a rouba de seu marido Paul Éluard  e com  quem vivera até a morte.

Estes diários estão à disposição para quem quiser entender um pouco mais sobre a arte e também sobre os diários. O de Frida Khalo e de Salvador Dali são livros que estão nas livrarias.

“O Diário de um artista” de Paul Kleen é um belo e precioso documentário:

Além de fonte de informação para arte, estes diários,  tomarão na memória e nas vidas dos leitores outra dimensão.

Lunna Guedes, Maria Cininha, Raquel Stanick e Tatiana Kielberman "diário das quatro estações" O lançamento está marcado para um sábado de agosto, dia 31 às 16 horas na Biblioteca Alceu Amoroso Lima, em São Paulo e você está convidado.