Bruxa Maria


Ela não mora em um castelo abandonado, cheio de teias de aranhas e criação de morcegos. Ela mora em um pequeno apartamento de uma grande cidade. É uma bruxa contemporânea. Usa bicicleta em vez de vassoura, se veste com roupas coloridas em vez de preto, usa o Google em vez de bola de cristal, usa um piercing em vez de verruga no nariz e em vez de um gato tem um cachorro negro.

De resto, é uma bruxa como as outras. Transforma príncipe em sapo, carruagem em abóbora. Como toda bruxa, adora alquimia, mas não aquelas velhas receitas fumegantes de misturar rabo de lagartixa com olho de dragão.  A Bruxa Maria gosta mesmo é de misturar cores. Dizem que no dia em que a magia está à flor da pele ela consegue modificar até as cores do arco-íris.  

Tem uma prateleira na janela em vez de cortina. Esta prateleira é cheia de garrafas coloridas, que refletem vários raios de luzes multicores.  Ela não conta para ninguém, mas copiou a ideia das garrafas coloridas da casa de um grande poeta. Pois, em noites de lua cheia, em segredo visita artistas e poetas, porque, segundo ela, estes seres são mágicos, embora usem disfarces.

Mas no dia do Halloween, a Bruxa Maria abre seu antigo baú de bruxa. Coloca asas de morcego, liberta aranhas, coloca no céu uma Lua nova, no bolso uma floresta escura e a velha máscara de coruja da sua bisavó. Segue a tradição de seus ancestrais e sai para se divertir. Afinal, bruxa é sempre bruxa, mesmo que de vez em quando se confunda com uma fada. Maria Cininha

Um dia atrasado

Um dia atrasado, mas não esquecido. Viva o livro este construtor de vidas. Viva o livro onde se revelam tantos mundos, tantas vidas, tantos caminhos, tantas fantasias! Salve o livro nossa melhor companhia.

A bandeira da delicadeza

Depois de uma semana meio difícil, esta Maria resolveu levantar a bandeira da delicadeza.
 Sejamos urgentemente delicados!
Delicados como o pouso do passarinho. Como São Francisco de Assis. Como o brilho de uma distante estrela. Como Ganghi. Como uma pena solta no ar.Como algumas árias de Mozart.Como as pinceladas de Claudet Monet. Como as pinturas de Vermeer. Como um adágio ou como o jeito delicado de ser dos gatinhos. MUITO BOM DIA.

Em tempo de bruxas

"Diz um conto de Malba Tahan que Deus quando criou a mulher criou também a fantasia. E por fantasia me refiro – esta poderosa senhora – a imaginação, aos devaneios, e aos sonhos que dão muitas vezes forma ao nosso futuro, reformam nosso passado, ilustram poderosos sentimentos e nos fazem tão criativos que um dia podemos voar entre estrelas com uma varinha de condão, no outro dar vôos rasantes em uma vassoura mágica. Aberta a temporada de caça as bruxas." (Maria Cininha)

Salve Joan Miró

Uma mente criativa está sempre, subconscientemente, no processo de desmanchar alguma coisa na sua imaginação, e de repor, em seguida, tudo em seu lugar. Porém às vezes inquieta e ousada – como é, muda um pouco as coisas de lugar.

Com licença de Joan Miró. Uma interferência no seu quadro “O ouro do universo” espero que Miró me perdoe. MUITO BOM DIA!

Salve São Francisco e todos os animais!

Salve São Francisco! Salve todos os animais! Elo entre o homem e a sua própria humanidade. Pena que nem todos os homens percebam isso.
Salve minha doce e querida cachorrinha Lua, minha professora de ternura!

Temporada de caça as bruxas


Diz um conto de Malba Tahan que Deus quando criou a mulher criou também a fantasia. E Por fantasia me refiro –  esta poderosa senhora – a imaginação, aos devaneios,  aos sonhos e que dão muitas vezes forma ao nosso futuro, reformam nosso passado, ilustram poderosos sentimentos e nos fazem tão criativos que um dia podemos voar entre estrelas com uma varinha de condão, no outro dar voos rasantes em uma vassoura mágica. Muito Bom Dia.