Paradoxo da arte


“Aquilo que não encerra utilidade, nem verdade, nem valor simbólico, mas também não acarreta consequências nefastas, pode ser apreciado mediante o critério do encanto que ´possui e pelo prazer que provoca. Esse prazer, dado que não tem consequências um bem ou um mal digno de nota, constitui um jogo”
Platão estava falando da arte e “um jogo” é o lúdico, que se situa fora da vida prática, nada tem a ver com a necessidade ou utilidade, com o dever ou com a verdade, mas que é parte fundamental da criatividade.
Tom Waits (adoro, I hope  that i don't fall in love with you) disse em uma entrevista que se libertou quando compreendeu a insignificância da arte, compor passou a ser menos doloroso  e afirma: “a única coisa que eu faço, na verdade, é criar joias para enfeitar a mente dos outros. “
Portanto a arte vive um paradoxo de ser totalmente insignificante, porém profundamente significativa. E o artista? Ah ele vive tentando estabelecer alguma ordem ao saltar de um extremo ao outro, mas não se furta o prazer do encantamento, e costuma andar de braço dado com a ousadia... Muito Bom dia! MC


Nenhum comentário: