Você sabe como apavorar um mostro?








Você sabe como apavorar monstros? Não? Não é tão difícil como você está pensando.
Os monstros grandes, são os mais fáceis de apavorar. Fogem da própria imagem no espelho e têm medo de espinhos. Além de tudo são muito grandes para entrar pela porta e pela a janela do quarto. E como são grandes, são lentos, podemos correr que eles nunca alcançam...

Já os monstros pequenos, são seres gulosos e estão por toda a parte. Se misturam com os carneirinhos de poeira debaixo da cama. Se escondem atrás das toalhas no banheiro e no café da manhã estão atrás do pote de manteiga... estão aos milhares por aí.
Mas para atrai-los basta fazer um caminho de açúcar até uma panela e fazer uma saborosa geleia de monstros pequenos. Dizem que é muito saborosa. Eu não sei nunca comi.

Os monstros médios são muito perigosos e difíceis. Eles se disfarçam em qualquer pessoa. Pode até ser seu melhor amigo. Se sentir dúvida, olhe bem para ver se não é um monstro disfarçado de amigo, geralmente o rabo do monstro fica aparecendo. Ou pergunte uma coisa que só você e seu amigo sabem.
Para se livrar de monstros médios. Ignore-os, finja que são invisíveis. Eles odeiam desprezo.
Ah! Tem também os de forma indefinidas, muito difíceis de apavorar. Porém detestam corrente de ar. Abra as portas e janelas que eles vão embora quando o vento passar...
E os monstros bizarros? Bem, esse...

Livro: Como apavorar monstros?
Autor: Catherine Leblanc
Ilustrador: Roland Garrique
V&R Editoras Brasil


Campanha de arrecadação de livros infantis.Visite e curta nossa página

https://www.facebook.com/romariadelivros/?fref=ts

Inverno

 Muitas vezes o inverno é encarado como tempo de abandono e retirada, às vezes até de perda. Talvez porque não tenhamos os festejos de natal atrelado a estação. Céus cinzentos  não tira minha  minha ideia de alegria, e se houvesse um paraíso, eu esperaria que ele tivesse um céu violeta-dourado  e luzes brancas em todas as árvores, como na Europa. Se não se lembrar do inverno a primavera, não seria tão adorável, portanto, viva o inverno!