O que escrevo no meu diário?



O que escrevo em meu diário? 
Nem sempre as narrativas dos diários são feitas somente com palavras. As narrativas podem ser gráficas, ou gráficas acompanhadas de texto e às vezes só de recortes colados. É comum esse tipo de diário entre os artistas. Afinal os homens são feitos tanto de palavras como de imagens.
Quando o homem pré-histórico mergulhou sua mão na lama vermelha e pressionou-a na parede da caverna, contou ali uma história. Naquela mão estampada na parede talvez tivesse; o seu deus, a sua caça, a sua curiosidade, a sua incerteza, o seu medo, ou a simples vontade de deixar sua marca.

Da mesma forma são os desenhos dos diários, narram sem palavras uma história, uma intenção. As imagens são impregnadas de histórias e narrativa.  Alberto Manguel, em seu livro Imagens, diz que “a imagem é também um palco, um lugar de representação, e confere a imagem um teor dramático, como que capaz de prolongar sua existência por meio de uma história”. Uma história ou várias histórias. Quando observamos uma imagem desenhada seja lá em que suporte for, ela possui sua voz própria, distinta das palavras.Essa voz vai se  entrelaçar com o repertorio e a história pessoal, abrindo espaço no imaginário. Essa história criada, por um observador, através de experiências sensíveis, afetivas, o artista jamais conhecerá.  
Talvez esteja aí toda a magia de um diário com imagens.



PROJETO "diário das 4 Estações"  das autoras: Adriana Aneli, Mariana Gouveia, Maria Cininha e Lunna Guedes 


Nenhum comentário: