Com licença de Pablo Neruda


Adoro o “Livro das Perguntas” de Pablo Neruda. É um livro que está sempre a minha mão. É uma fonte de inspiração e encantamento com suas perguntas sem respostas.
 Ou seriam perguntas com muitas respostas, ou para não serem respondidas?
 Ou talvez perguntas para provocar a imaginação?
Ou quem sabe para trazer a poesia ao cotidiano das indagações?
Mas isso não tem a mínima importância...  Assim são os artistas: provocadores, imprecisos.
 Pablo Neruda pergunta:

“De que ri a melancia quando a estão assassinando?”

“Não crês que os dromedários guardam luas em suas gibas?”

“E o mar não está emprestado à terra por curto prazo?”
“Não teremos que devolvê-lo com suas marés à lua?”

Pablo Neruda morreu no dia 11 de setembro 1973. Com toda a evolução tecnológica que o mundo enfrentou de lá para cá, se hoje ele estivesse entre nós, teria uma infinidade de outras perguntas para enriquecer nosso imaginário. Como não está!
Com licença de Pablo Neruda:

“Se hoje as informações estão armazenadas nas nuvens, para onde se mudaram os anjos?”

Comentários

Tina Bau Couto disse…
Com o perdão de Pablo Neruda não creio que os dromedários guardam luas em suas gibas e sim melancias.
E a melancia não ri a forma é de barco para segurar as lágrimas.
E os anjos hão de conviver e dividir espaço com as informações bem como fazemos nós por aqui, entre tantas perguntas e respostas, nos espremendo entre milhões delas.
Qd chove deve haver uma lavagem por lá, vá saber! e nós aqui fazemos o que?
Mariacininha disse…
Puxa você fez uma nova poesia Tina Neruda!
Betty Gaeta disse…
OI Cininha,
Amei esta anja! Vc me deixou curiosa a respeito deste livro. Tenho os Sonetos de Amor de Neruda, mas não sabia deste livro de perguntas!!! Preciso dele!
xoxo

Gosto disto!

Postagens mais visitadas