Pular para o conteúdo principal

A escrita do segredo



A escrita do segredo

“Entre as lembranças que cada um de nós traz consigo, algumas  há que só contamos aos amigos. Outras, nem aos amigos revelaríamos, mas apenas a nós mesmos e ainda assim em segredo. Finalmente, há outras coisas que o homem tem medo de contar a si mesmo, e cada homem honesto conversa bom número dessas lembranças guardadas em sua mente”   Fiador Dostoievski


O diário  o autor  está sozinho em frente a uma tela de computador ou a uma folha de papel  onde ele escreve e pode contar segredos. Estes   segredos  poderiam  ser  temporários onde o autor de uma maneira ou outra quer que seja publico ou que alguém saiba, não naquele momento, mas quando não estiver mais aqui.

Um dos mais famosos diários é o  de Francesca personagem (que foi real) do filme As Pontes de Madison, que revela em um diário o seu romance de quatro dias com um fotografo da National Geografic. Seu diário foi deixado em um baú para que seus filhos conhecessem   a sua história de amor e suas frágeis  características.  Naquele momento  de revelação do segredo, o leitor, se transforma quase em um cúmplice.


Faço parte do Projeto “ I Diário das Quatro Estações” juntamente com minhas amigas autoras Lunna Guedes, Raquel Stanick e Tatiana Kielberman.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Contém Maria

Estava indo tudo bem, até eu descobrir que as Marias ficariam encantadoras em caderninhos tipo Moleskine. Ganharam complementos, que extrapolam o tamanho do caderninho. Mas, esta é a intenção, ficar no espaço, ganhar asas e também deixar entrar o que chegar... Mas, e agora como guardar sem estragar, sem amassar? Simples, ganhou uma caixa. E assim, de simples em simples eu complico. Rsrsrs
Muito boa tarde!

7 de janeiro dia do Leitor

Hoje é dia do leitor. E, nós independente dos livros somos leitores da vida, das relações humanas, da natureza. Recentemente desenvolvemos outra forma de leitura, a virtual. Quando ocorre a empatia, a aproximação, mesmo de longe aprendemos a ler o outro, a sentir... Descobrimos importâncias e desimportâncias. Descobrimos afetos, amor, amizade, admiração ou nos descobrimos tendo apenas a função de um acessório. Descobrimos, artimanhas, manobras, inveja, a maldade e a vaidade a toda prova. Em compensação descobrimos pares, e amizades que se materializam no real.Temos uma vida dois, igual a real, na tela do computador, e por isso dia a dia temos que desenvolver mais uma forma de leitura.
Amo esse texto do Mia Couto que fala sobre o leitor. No dia do leitor... Não Sabemos Ler o Mundo
Falamos em ler e pensamos apenas nos livros, nos textos escritos. O senso comum diz que lemos apenas palavras. Mas a ideia de leitura aplica-se a um vasto universo. Nós lemos emoções nos rostos, lemos os sina…

Muito Bom DIa