Pular para o conteúdo principal

Nem só de palavras se faz um diário.


Porque escrevemos diários? São muitas as razões: Para fazer uma leitura posterior, para prolongar a memoria, contar história de si para si mesmo ou para os filhos e netos ou mais que isso garantir a permanência.

Mas nem sempre as narrativas dos diários são feitas somente com palavras. As narrativas podem ser gráficas, ou gráficas acompanhada de texto e às vezes de recortes colados. É comum esse tipo de diário  entre os artistas. Afinal os homens são feitos tanto de palavras como de imagens.
Quando o homem pré-histórico mergulhou sua mão na lama  vermelha  e  pressionou-a  na parede da caverna, contou ali  alguma história. Naquela mão estampada na parede talvez tivesse; o seu deus, a sua caça, a sua curiosidade, o seu medo. 

Da mesma forma são os desenhos dos diários, narram sem palavras uma história e  segundo  Alberto Manguel, uma imagem é também um palco, um lugar de representação, e confere a imagem  um teor dramático, como que capaz de prolongar sua existência por meio de uma história cujo começo foi perdido pelo espectador e cujo final o artista não tem como conhecer.
Talvez esteja ai toda a magia de um diário com imagens.

Eu  Maria Cininha faço parte do projeto “O Diário das Quatro Estações” idealizado pela Lunna Guedes e tenho o prazer da companhia das autoras Tatiana Kielberman e Raquel Stanick. O lançamento será em 30 de agosto de 2013.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Contém Maria

Estava indo tudo bem, até eu descobrir que as Marias ficariam encantadoras em caderninhos tipo Moleskine. Ganharam complementos, que extrapolam o tamanho do caderninho. Mas, esta é a intenção, ficar no espaço, ganhar asas e também deixar entrar o que chegar... Mas, e agora como guardar sem estragar, sem amassar? Simples, ganhou uma caixa. E assim, de simples em simples eu complico. Rsrsrs
Muito boa tarde!

7 de janeiro dia do Leitor

Hoje é dia do leitor. E, nós independente dos livros somos leitores da vida, das relações humanas, da natureza. Recentemente desenvolvemos outra forma de leitura, a virtual. Quando ocorre a empatia, a aproximação, mesmo de longe aprendemos a ler o outro, a sentir... Descobrimos importâncias e desimportâncias. Descobrimos afetos, amor, amizade, admiração ou nos descobrimos tendo apenas a função de um acessório. Descobrimos, artimanhas, manobras, inveja, a maldade e a vaidade a toda prova. Em compensação descobrimos pares, e amizades que se materializam no real.Temos uma vida dois, igual a real, na tela do computador, e por isso dia a dia temos que desenvolver mais uma forma de leitura.
Amo esse texto do Mia Couto que fala sobre o leitor. No dia do leitor... Não Sabemos Ler o Mundo
Falamos em ler e pensamos apenas nos livros, nos textos escritos. O senso comum diz que lemos apenas palavras. Mas a ideia de leitura aplica-se a um vasto universo. Nós lemos emoções nos rostos, lemos os sina…

Muito Bom DIa